Pedro Ramos - jul 26, 2019

Como a Indústria 4.0 pretende modernizar o mercado?

Utilizado pela primeira vez na Alemanha, em 2011, o conceito de Indústria 4.0 está se espalhando cada vez mais rápido pelo mundo. Mas, e você: já sabe o que isso significa? Conhecida também como a 4ª Revolução Industrial, essa é uma expressão que engloba um conjunto de tecnologias de automação e troca de dados voltados para uma produção mais inteligente na indústria.

Pode parecer complexo. Mas, na realidade, a ideia é tornar tudo mais fácil. Ou seja, conectar máquinas, sistemas e ativos para uma cadeia de produção cada vez mais tecnológica e autônoma, permitindo, por exemplo, que manutenções, previsões de falhas ou adaptações sejam feitas automaticamente.

Sobre o tema, Justino Fontenelle Craveiro Neto, coordenador do curso superior de Engenharia de Software da Faculdade de Pato Branco (FADEP - PR), explica: “com a inserção de Inteligência artificial nos processos de manufatura, por exemplo, fica claro que algumas tarefas antes destinadas apenas ao homem, poderão ser executadas por máquinas. Por este e outros fatores, fica evidente que matriz produtiva sofrerá alterações, assim atividades, profissões existentes deixará de existir.”

tecnologia-industria-4-0-afya

A tecnologia a favor da Indústria

A Indústria 4.0 propõe a fusão entre os mundos físico, digital e biológico e, para isso, utiliza várias tecnologias. Entre as principais delas, estão:

  • Manufatura Aditiva: chamada também de Impressão 3D, consiste na adição de material para produzir objetos que contêm diversas partes, constituindo uma montagem.
  • IA (Inteligência Artificial): busca simular a capacidade humana de raciocinar, tomar decisões, resolver problemas, automatizando softwares e robôs para realizarem esses processos.
  • IoT (Internet das Coisas): representa a possibilidade de que objetos físicos estejam conectados à internet, podendo executar de forma coordenada alguma ação. 
  • Biologia Sintética: convergência de novos desenvolvimentos tecnológicos nas áreas de Química, Biologia, Ciência da Computação e Engenharia, permitindo o projeto e construção de novas partes biológicas.
  • Sistemas Ciber Físicos (CPS): sintetizam a fusão entre o mundo físico e digital. Ou seja, todos os objetos e processos na fábrica têm um “irmão gêmeo” digital.

Quem já saiu na frente nessa corrida de inovações

Para alcançar toda a modernização e autonomia que propõe, a Indústria 4.0 precisa transformar o presente. E isso já acontece de forma rápida pelo mundo. Em um relatório recente do World Economic Forum (2018), uma extensa lista mostra os países líderes nesse cenário. Assim, quando o assunto é a Estrutura de Produção da Indústria, o Japão, a Coreia do Sul e a Alemanha são as maiores referências. Já sobre os Vetores de Produção, quem lidera a lista são os Estados Unidos, seguidos por Singapura e Suíça. Nesse mesmo relatório, o Brasil só aparece em 41º e 47º, respectivamente.

VEJA TAMBÉM

Como a tecnologia pode ajudar a rotina de um agrônomo?

Mas, por que saber tudo isso é tão importante?

A Indústria 4.0 chega para mudar o futuro de todos. Isso porque ela acarreta a médio/longo prazo mudanças radicais como: a modernização da indústria com o surgimento de novas demandas, serviços e produtos, além da reestruturação do mercado de trabalho com o desaparecimento (ou adaptação) de profissões e o surgimento de muitas outras.

Por tudo isso, é preciso estar atento. Afinal, o Brasil está diante de grandes desafios pela frente. Atualmente, a indústria nacional representa menos de 10% do PIB brasileiro, ocupando ainda o 69ª lugar no Índice Global de Inovação. No entanto, o que pode parecer um obstáculo é também uma grande oportunidade de se pensar à frente. Afinal, para ingressar na Indústria 4.0 no futuro, o país precisará de novas ideias. 

E você, já pensou em como atualizar os seus conhecimentos para a Indústria 4.0? 

Conheça a AFYA



Escrito por Pedro Ramos